Facebook Pixel Estrabismo. Não desvie deste tema - Blog - e-lens

Estrabismo. Não desvie desse tema.

Estrabismo. Não desvie desse tema.

Estrabismo não é brincadeira. É um assunto sério e que precisa ser acompanhado por um oftalmologista.

Cada caso é um caso, mas todos eles apresentam um desequilíbrio nos músculos oculares, fazendo com que os olhos não fiquem paralelos.

É um tipo de alteração ocular que desalinha os olhos para direções diferentes. O desvio pode ser constante, daqueles que a gente percebe sempre, ou pode variar entre períodos normais e períodos com olhos desviados.

Um dos olhos fica direcionado para frente, enquanto o outro desvia para dentro, para fora, para cima ou para baixo.

Estrabismo no jovem adulto

Como ocorre o Estrabismo?

No olho humano, existem seis pares de músculos extra-oculares, presos do lado de fora de cada globo ocular e que controlam os movimentos.

Em cada olho, dois músculos movimentam os olhos para a direita e a esquerda. Os outros quatro músculos movimentam os olhos para cima e para baixo. Para termos os olhos alinhados e focalizados num ponto, todos os músculos oculares devem estar num equilíbrio perfeito de forças. Quando eles não trabalham em conjunto ocorre o estrabismo.

Geralmente, ele ocorre mais nas crianças, mas também pode acontecer nos adultos. Atinge de maneira igual homens e mulheres e, em alguns casos, tem origem genética.

Fique atento aos sinais: visão dupla, embaralhamento visual, embaçamento, movimento de entortar a cabeça para ver, olho que fecha na claridade e piscadas constantes. Caso haja suspeita, são necessários exames oftalmológicos para determinar sua causa e iniciar o tratamento imediatamente.

Conheça os tipos de estrabismo

Os mais conhecidos são o esotrópico, que ocorre quando um ou ambos os olhos desviam para dentro, e o exotrópico, quando um ou ambos os olhos entortam para fora. Este acontece mais quando o paciente olha para longe ou em situações de desatenção e cansaço.

Nos adultos, o estrabismo pode acontecer em decorrência de algumas doenças, como as neurológicas, a diabetes, as doenças de tireoide, tumores cerebrais e outros. E ainda existe também o pseudoestrabismo, uma condição onde os fatores anatômicos ou funcionais simulam um desvio nos olhos.

Estrabismo no adulto. Tem correção sim!

Tem tratamento para o estrabismo? Sim, tem.

O principal objetivo do tratamento é preservar a visão, colocar os olhos de forma paralela e recuperar a visão binocular. O tratamento do estrabismo vai depender muito de sua causa e pode ser clínico, óptico ou cirúrgico.

Não feche os olhos para esse problema. Qualquer tratamento é recomendado começar logo nos primeiros sinais, especialmente em relação as crianças. As etapas do tratamento podem consistir em colírios específicos, correção do erro refracional com a indicação de óculos, uso de oclusão de um olho para tratar a ambliopia ou cirurgias.

O médico oftalmologista especializado em estrabismo é o estrabólogo, o profissional que pode tratar, diagnosticar e orientar de forma adequada o que fazer em cada caso. Pode ainda ser assessorado pelo ortoptista, que cuida dos desvios e dos exercícios ortópticos.

Para saber mais, consulte um oftalmologista. Com ou sem estrabismo é muito importante cuidar da saúde ocular para a qualidade de vida ser completa e cheia de possibilidades. Estamos alinhados?

Artigos Relacionados